THE ESSENTIAL INGREDIENTS FOR BEING HAPPY

Lecturer Sandra Teschner lists some of them for a good start in 2020

Happiness is a matter of being, not having. For centuries we strode misinformed and oblivious to the best of life. It’s time to unlearn. Misled by conflicting relations with time, money, power, wealth, expectations and comparisons, we hope to achieve success as if it were synonymous with being happy. But happiness is the cause, not the consequence. It lies in the day-to-day journey that happy people live.

We confuse moments of joy, an ephemeral feeling that responds promptly to a stimulus, with happiness, that cozy prolonged sense of well-being, fulfillment, and purpose. What gives us temporary pleasure may be a positive supplement to our general state of mind, but it works as an anesthetic: the doses have to be increased permanently in order for it to work. We always want more things, we believe that when we reach this or that we will be happy, and for that we make sacrifices and get disappointed.

Activities which are not always pleasant when performed can be the foundation for long lasting well-being. Happy people cry, suffer, live through the stages of pain and regain control of their life. The opposite of happiness is not sadness, but apathy – as the opposite of love is not hate, but disdain.

Science proves that 40% of our happiness depend on the choices we make and can be learned. Even if personal, social and cultural factors interfere with the generic result of surveys, some of them are unanimous in different parts of the world. Even if a “recipe” may sound frivolous, being happy resides in a hug, in positive personal relations, in affective memories, in the possible lightness of our days. The simplicity of the ingredients (some essential ones are listed below) is the good news for this coming decade. Enjoy in moderation.

  1. Start by choosing to be happy!
  2. More eco, less ego (altruists are happier, a fact!)
  3. Smile, release endorphins.
  4. Exercise.
  5. Read what challenges you, watch what amuses you, practice what relaxes you. Blend it all.
  6. Self-knowledge is the secret of taste.
  7. Help others! Giving is better than receiving; science has proven it!
  8. Excel in empathy.
  9. Meditate, practice faith.
  10. Learn how to breathe.
  11. Adopt a pet; they know all about unconditional love and forgiveness.
  12. Bring green into your life, build your urban jungle.
  13. Place positive sentences on the walls. Your unconscious mind is recording everything!
  14. Enjoy good company, socialize.
  15. Decorate your home with meaning. Let affective memories embrace the present!
  16. Use technology as a facilitator, not as a replacement! Nothing replaces the touch.
  17. Practice reversed logistics. Reuse, recycle, re-signify!
  18. Have a list of what makes you happy with you.
  19. Do not compare yourself with others; do not. The other is not you.
  20. The expectation of what your life should be is an endless source of unhappiness. Do you want to be happy? Build. Dream possible dreams!
  21. Be truly grateful.
  22. Invest on social connections, we’re happier together.
  23. Blend all items and repeat the dose every day.
Sandra Teschner (Photo: Reproduction/ Revista Veja São Paulo)

Sandra Teschner (@sandrateschner) changed her near-death experience into a driving force to understand how to choose happiness. She got the Chief Happiness Officer Certificate from the International University of Florida, in the United States, and gives lectures now.

Sandra Teschner is a publisher, businesswoman, author, speaker on topics such as self-esteem, sustainability and fashion, and happiness. Certified by FIU (Florida International university) & Wohasu, Miami.

Versão traduzida do artigo publicado na Revista Veja SP. Para acessar a versão em português, clique aqui.

Os ingredientes indispensáveis para você ser feliz

A palestrante Sandra Teschner lista alguns deles para começar bem 2020

A felicidade é uma questão de ser, e não de ter. Galopamos pelos séculos desinformados e alheios ao melhor da vida. Está na hora de desaprender. Equivocados pelas relações conflituosas com tempo, dinheiro, poder, riqueza, expectativas e comparações, esperamos alcançar sucesso como se ele fosse um sinônimo de ser feliz. Mas a felicidade é causa, e não consequência. É na jornada do dia a dia que vivem os felizes.

Confundimos momentos de alegria, sentimento efêmero que responde pontualmente a um estímulo, com felicidade, aquela aconchegante sensação prolongada de bem-estar, realização e propósito. O que nos dá prazer momentâneo pode ser um suplemento positivo para nosso estado geral de espírito, mas funciona como um analgésico: as doses precisam ser aumentadas permanentemente para fazer efeito. Queremos sempre mais coisas, acreditamos que quando alcançarmos isso ou aquilo seremos felizes, e para isso nos sacrificamos e nos decepcionamos.

A felicidade é uma questão de ser, e não de ter. Galopamos pelos séculos desinformados e alheios ao melhor da vida. Está na hora de desaprender. Equivocados pelas relações conflituosas com tempo, dinheiro, poder, riqueza, expectativas e comparações, esperamos alcançar sucesso como se ele fosse um sinônimo de ser feliz. Mas a felicidade é causa, e não consequência. É na jornada do dia a dia que vivem os felizes.

Confundimos momentos de alegria, sentimento efêmero que responde pontualmente a um estímulo, com felicidade, aquela aconchegante sensação prolongada de bem-estar, realização e propósito. O que nos dá prazer momentâneo pode ser um suplemento positivo para nosso estado geral de espírito, mas funciona como um analgésico: as doses precisam ser aumentadas permanentemente para fazer efeito. Queremos sempre mais coisas, acreditamos que quando alcançarmos isso ou aquilo seremos felizes, e para isso nos sacrificamos e nos decepcionamos.

1. Comece escolhendo ser feliz!

2. Mais eco, menos ego (os altruístas são mais felizes, fato!).

3. Sorria, libere endorfinas.

4. Exercite-se.

5. Leia o que desafia, assista ao que diverte, pratique o que relaxa. Misture tudo.

6. Autoconhecimento é o segredo do sabor.

7. Ajude! Dar é melhor que receber, a ciência comprova!

8. Capriche na empatia.

9. Medite, pratique a fé.

10. Aprenda a respirar.

11. Adote um pet, eles sabem tudo sobre amor incondicional e perdão.

12. Traga o verde para sua vida, construa sua urban jungle.

13. Coloque nas paredes frases positivas. Seu inconsciente está registrando tudo!

14. Desfrute boa companhia, socialize.

15. Enfeite seu lar com significado. Deixe que as memórias afetivas aconcheguem o presente!

16. Use a tecnologia como facilitador, não como substituto! Nada substitui o toque.

17. Pratique a logística reversa. Reúse, recicle, ressignifique!

18. Tenha com você uma lista do que o deixa feliz.

19. Não se compare, não se compare. O outro não é você.

20. A expectativa do que sua vida deveria ser é fonte infinita de infelicidade. Quer ser feliz? Construa. Sonhe sonhos reais!

21. Seja grato de verdade.

22. Invista em conexões sociais, somos mais felizes juntos.

23. Misture todos os itens e repita a dose diariamente.

Sandra Teschner (@sandrateschner) transformou uma experiência de quase morte em propulsor para entender como optar pela felicidade. Tirou o certificado de Chief Happiness Officer pela Universidade Internacional da Flórida, nos Estados Unidos, e hoje dá palestras.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 1 de janeiro de 2020, edição nº 2667.

Sandra Teschner na Casa Cor Bahia

A Arena do Conhecimento da Casa Cor Bahia recebeu ontem, a Chief Happiness Officer e Publisher Sandra Teschner, para falar sobre Plantando Happiness: A importância do designer sensorial na felicidade e no bem-estar humano. 

Projetar ambientes que traduzem bem-estar e qualidade de vida é o grande desafio dos arquitetos e designers de interiores. Para colaborar com esta tarefa, a palestrante falou da importância da biophilia , uma corrente da neuroarquitetura que expõe a conexão humana aos ambientes naturais , vivos! “A neurociência traz referências para que projetos arquitetônicos estimulem sensações positivas nas pessoas. Somos seres sensoriais,  os estímulos do meio externo entram em nosso cérebro de forma inconsciente. Temos receptores em todo o corpo , isso gera emoção, propicia determinados comportamentos”, explicou.

Os mais atuais estudos científicos em todo o mundo trazem informações relevantes sobre a Ciência da Felicidade e seus desdobramentos são percebidos nos conceitos de teóricos, assim como nos incontáveis movimentos positivistas que despontam mundo afora, ainda que aparentemente desconectados.  De pequenos hábitos a mudanças de comportamento, da inserção do verde no seu dia a dia – como o “urban jungle” dentro de sua própria casa a sustentabilidade coerente, do  biodesign na moda as técnicas de relaxamento autoaplicáveis, dos quadrinhos com frases que nos representam (e que alegram nosso inconsciente) a exercícios físicos, da cultura do “nós” em bate-papos informais positivos ao retorno as artes manuais, tudo isso abraçado por muita tecnologia.

Sandra Teschner e Jussara Amorim da casa cor Bahia

“O futuro chegou, mas ele não é frio, pede o acalanto do artesanato, o contato humano, as ações coletivas, o compartilhamento de ideias, a natureza, tudo isso com todo o aparato tecnológico agindo como facilitador”, contou com entusiamo. E esclarece: “Trata-se do impacto que este contexto traz para as nossas vidas, como a redução do estresse e ansiedade, melhora na concentração, aumento da autoestima, da produtividade, entre outros benefícios, enquanto essas escolhas vão promovendo a sensação de bem-estar pleno em efeito multiplicador. Atua ainda como um antídoto ao mal do século, leia-se a depressão e a ansiedade.

Apesar de vivermos um momento onde a força da tecnologia é muito forte, é importante lembrarmos das sensações que o design pode nos proporcionar. Por isso, a busca pelo natural, pelas raízes, pela utilização de matérias-primas sustentáveis está em alta. É o momento de trazer o verde para dentro de casa, as madeiras naturais, de reaproveitamento ou de demolição. O mundo moderno chegou e pede esse momento da volta do passado atrelado a tecnologia, sempre em busca da memória afetiva.

Pensar nesses pontos é importante para garantir que a decoração traga o sensorial como ponto alto, influenciando no humor, comportamento e bem-estar.

Janete Amaral, Sandra Teschner e Monique Melo

Para ela, a Casa Cor Bahia está sendo muito assertiva trazendo a pauta sensorial, de afetividade e sustentabilidade. É preciso mostrar a tecnologia aliada a ancestralidade, tudo isso com graça renovada, com jovens talentos, cheios de bagagem, como é o caso de Daniela Alencar, que traz no seu espaço referências históricas, clássicas, aliadas ao bom gosto contemporâneo.

Dentre os presentes ao evento estavam: Ingrid Weckerle, Adriana Amaral, Christiane Peleteiro, Monique Melo, Janete Amaral, Daniela Alencar, Lila Moraes e Jussara Amorim.

Giro: Especialista em Felicidade por Adriana Barreto e Cris Montenegro

No próximo dia 20 de novembro, a publisher da editora Profashional e Chief Happiness Officer, Sandra Teschner desembarca em Salvador para participar de um evento exclusivo só para convidados na varanda do restaurante Lafayette. A convite da empresa Seed Mix Crispys Gourmet, a baiana, que mora em São Paulo, mas já teve diversos países do mundo como seu lar, ministrará o talkshow ‘Semeando Happiness: Uma escolha feliz’. Sandra vai bater um papo sobre a felicidade plena e sobre gozar a vida fazendo nossa parte para um coletivo feliz e uma vida equilibrada e saudável. (por Adriana Barreto)

Fonte: https://www.bahianoticias.com.br/cultura/coluna/6850-giro-especialista-em-felicidade.html

Sandra Teschner ministra talk sobre felicidade em Salvador

A Publisher Profashional e Chief Happiness Officer, Sandra Teschner, vai desembarcar na capital baiana. A convite da empresa Seed Mix Crispys Gourmet, a baiana, que mora em São Paulo, irá ministrar o talk “Semeando Happiness: Uma escolha feliz” no dia 20 de novembro, em um evento exclusivo para convidados na varanda do restaurante Lafayette.

 Foto: Reprodução.

Fonte: https://aloalobahia.com/notas/sandra-teschner-ministra-talk-sobre-felicidade-em-salvador

HOJE A NOSSA PUBLISHER GRAVOU UM PODCAST INCRÍVEL PARA O SENTA LÁ, CLAUDIA, DA REVISTA CLAUDIA.

HOJE A NOSSA PUBLISHER GRAVOU UM PODCAST INCRÍVEL PARA O SENTA LÁ, CLAUDIA, DA REVISTA CLAUDIA. O BATE PAPO NÃO PODIA TER OUTRO TEMA: FELICIDADE!

HOJE A NOSSA PUBLISHER GRAVOU UM PODCAST INCRÍVEL PARA O SENTA LÁ, CLAUDIA, DA REVISTA CLAUDIA.

APÓS QUASE MORRER AFOGADA EM MEU SANGUE, VI QUE MINHA MISSÃO ERA ESPALHAR FELICIDADE

Há cinco anos, a empresária Sandra Teschner ficou entre a vida e a morte por conta de um problema de saúde causado por estresse. Ainda no hospital, ela conta que tudo mudou quando, em coma, viu um túnel com uma luz rosa e pessoas ao seu redor que transmitiam paz. Ao se recuperar, uma semana depois, Sandra decidiu que iria “espalhar a felicidade”.

Há cinco anos, Sandra Teschner ficou entre a vida e a morte por conta de um problema de saúde causado por estresse. Ainda no hospital, ela conta que tudo mudou quando, em coma, viu um túnel com uma luz rosa e pessoas ao seu redor que transmitiam paz. Ao se recuperar, uma semana depois, Sandra decidiu que iria “espalhar a felicidade”. Ela estudou fatores que influenciam uma pessoa a ser feliz no cotidiano e saiu ministrando palestras pelo mundo. Tanta dedicação lhe rendeu o certificado de Chief Happiness Officer pela Universidade da Flórida. Para Sandra, falar e ensinar como ser feliz é uma missão.

Tudo começou em julho 2014, quando ela perdeu o pai e a avó em um período de seis meses. Sandra mergulhou em seu trabalho, na época em comunicação corporativa, até que um dia, tomada pelo estresse, sofreu uma hemorragia nasal. Levada às pressas para o hospital, a empresária  afirma que entrou em coma e foi parar na UTI. As chances de sobreviver eram mínimas. Ela diz que seu irmão, cardiologista, conversou com os médicos e que a resposta foi que Sandra não passaria daquela noite.

“Eu fui entubada e levada para a sala de cirurgia. Não conseguiam diagnosticar o meu problema. Quando tentaram reparar essa hemorragia, eu aspirei meu próprio sangue e quase me afoguei. Meu pulmão estava lotado de sangue. Eu lembro que conseguia ver os médicos ao meu redor. E foi quando eu avistei um portão de madeira bem grande. Quando esse portão se abriu, eu vi um túnel, tipo esses que fica debaixo de um viaduto. E tinha uma luz muito forte rosa. Estava sendo empurrada em uma maca e as pessoas me olhavam com pena”, conta ela à Marie Claire.

“A sensação que eu tinha era de que estava em um hospício, mas via que aquelas pessoas estavam em paz, mas eu não, estava muito ansiosa em cima daquela maca olhando de um lado para o outro. Eu só queria queria saber onde estavam meu pai e a minha avó e eu não os via”, continuou.

Sandra voltou do coma dois dias depois de ser internada na UTI. “Quando acordei, estava tentando entender tudo que tinha acontecido com aquela experiência e concluí que se eu tivesse visto meu pai e a minha avó, eu não iria querer voltar. Eu só pensava em uma frase: ‘A sabedoria da vida consiste em mudar tudo o que você pode mudar, aceitar tudo o que você não pode mudar e principalmente em saber diferenciar as duas situações’. Tanto que pedi para a médica lápis e papel para escrevê-la, mas não consegui. Fiquei uma semana no hospital”, se recorda.

Foi a partir da experiência de quase morte que Sandra Teschner resolveu estudar a ciência da felicidade. Ela mergulhou em livros e criou o projeto chamado Plantando Happiness em que promete a “receita da felicidade”, unindo critérios cientificamente mais aceitos para ser feliz com as suas próprias experiências.

“Em meio as minhas pesquisas, me deparei com um curso sobre felicidade na Universidade da Flórida e fui lá ter aulas, debater com autores de grandes livros sobre o tema, participar ativamente de grupos de estudo. No banco da universidade, aprendi que cientificamente a felicidade é uma escolha, que 50% da capacidade de ser feliz é genética, 10% é resultado de acontecimentos externos e os outros 40% é possível de aprender”, explica.

“Ficou claro que minha missão seria fazer os outros entenderem que era totalmente possível aprender a ser feliz. Hoje, coloco em prática tudo o que aprendi nessa especialização e que continuo aprendendo sobre o que faz uma pessoa feliz. Após quase morrer, descobri que nasci para espalhar felicidade e isso virou meu ganha pão. Posso dizer que é um trabalho muito recompensador”, comemora.

Sandra também se dedicou a projetos sociais com crianças amputadas, com câncer e síndromes raras.

“O que mudou para mim desde minha experiência de quase morte é que não quero eliminar problemas e infortúnios. Sei que não passaremos incólumes aos obstáculos. O que importa é como reagimos a eles e isso define como vamos nos sentir. Dar é melhor que receber, não é religião, é ciência. Ser genuinamente grato te garante ver a vida pelo lado iluminado dela e reverbera em mais luz. Dá para aprender a ser feliz. E ninguém precisa quase morrer para aprender isso”, afirma.

Fonte: https://revistamarieclaire.globo.com/Mulheres-do-Mundo/noticia/2019/11/apos-quase-morrer-afogada-em-meu-sangue-vi-que-minha-missao-era-espalhar-felicidade.html

HAPINESS, LETS GO!

Por: Sandra Tescher

Vamos? A Felicidade não espera por nós por uma simples razão, ela não está em nenhum lugar, que não seja no caminho, e ninguém, repito: Ninguém é capaz de fazê-lo verdadeiramente feliz, senão você mesmo. Mas também não confunda alegria, ou mesmo momentos de muito prazer, com felicidade duradoura que é um estado da mente guiando seu estilo de vida.

E a ciência prova, professores das principais faculdades do mundo que estudam o tema, confirmam, autores, Chief Happiness Officers teorizam e aplicam esse conhecimento nas organizações, como na vida.

A felicidade virou tema sério. Quase a metade das chances de você alcançá-la, depende exclusivamente de você, de sua decisão e isso significa dizer que não adianta terceirizar a culpa, quando você se sente infeliz.Talvez seja exatamente na desconstrução do mitos que criamos em volta do que achamos precisar “ser, ter, parecer” para sermos felizes, que está a nossa saída, ou melhor, nossa entrada numa realidade em que possamos ser verdadeiramente, internamente satisfeitos, em paz com nossas escolhas, sejam elas assertivas ou não.

Perfeito não é humano, Feito é! E você pode ser um “fazedor”, um “maker” alguém que decide por algo e constrói com outros a ideia proposta, mas não esqueça que é você o piloto da sua vida. Fato.

Um dos mitos da felicidade está nas premissas que criamos: “serei feliz quando”…, casar, for promovido, ficar rico, viajar o mundo todo e etc. A expectativa será inexoravelmente frustrada, não porque alcançar algo que você deseje não te fará feliz, mas sim porque não será de grande duração, não é algo permanente, ensina a Sonja Lyubomirsky, com quem tive o prazer de aprender e que, sem dúvida, é uma das grandes pesquisadoras do mundo.

Se acrescentarmos ainda que parte da frustração de ser plenamente feliz “quando isso ou aquilo”, vem ainda dos estereótipos que tomamos como verdadeiros, e não são! Ou melhor não são para mim nem para você, talvez para alguém seja, mas você e eu não somos esse alguém. Para ilustrar, ainda segundo a autora, “ao contrário do que se pensa, casais não são mais felizes que solteiros, por exemplo, nem pessoas que possuem imóveis, mais felizes do que aquelas que vivem em aluguel”.

Antes de aceitar algo como real, pergunte a você mesmo, se é você desejando, ou seu ego acreditando que será valorizado num determinado circuito social por ter alcançado o que o outro – que provavelmente nem feliz é, ditou que você precisa ter para ser.

Costumo dizer que embora a receita para qualquer sabor da vida, possa ser adaptada, melhorada individualmente ao gosto insubstituível de cada um, existem ingredientes cientificamente comprovados que dão liga e assim sendo, trazem um resultado positivo e certeiro. Pessoas que fazem algum tipo de atividade física garantem endorfinas necessárias para o bem-estar orgânico, mas também mental quando se exercitam ao ar

livre, ou escolhem imagens positivas seja no tablete ou na sua cabeça. Viajar nos sentidos é além de um rico estimulo, uma forma de oração, de meditação.

Digo de oração porque só entendi verdadeiramente o que era meditar quando me peguei em contrição. Sua mente liberta das incessantes vozes propulsoras de dores, receios, afinal seu cérebro faz todas as ligações possíveis para te manter vivo, então temos de ensinar a ele que não queremos sobreviver, queremos plenitude! Tome as rédeas, cale o que não é você! Não se compare a ninguém, não crie expectativas, essas ai são fontes inesgotáveis de infelicidade.

Confie, tem gente boa no mundo sim, não viva do que não deu certo. A maior parte dos sofrimentos que enfrentamos, nunca ocorreram, ou melhor nunca aconteceram fora de nossas cabeças. Cultue o Nós, a felicidade é contagiosa, compartilhada, colaborativa. Experimente doar-se de coração, que dá é melhor que receber, você eventualmente achou ser uma invenção da religião. A ciência prova então que se for, ela tem razão.

Autoconhecimento é libertador, descobrir o que a pessoa que vive em você gosta de fazer unido com a habilidade, talento e colocando esforço para o resultado positivo, trará nos pequenos e grandes feitos uma realização prazerosa e continua, e não mais que de repente, você se encontra agindo, como o fazem os felizes.

O espaço vai cobrando um fim às palavras, mas eu deixo para vocês meu contato nas redes sociais com uma certeza: Descobri faz alguns anos, que meus propósitos de vida vão superbem obrigada, em permanente realização, sendo ressignificados a todo o tempo. Então entendi que meu novo propósito se chama legado. Não mais para o Ego, coisa que os anos fizeram o favor de ofuscar, mas para o efeito multiplicador. Um mundo de pessoas mais felizes é mundo sustentável, produtivo, possível. A escolha é sua.

Sandra Tescher, Publisher, Chief Happiness Officer certificada pela universidade da Florida, criadora do projeto @plantando.happiness em parceria com o Morumbi Shopping e o Senac São Paulo

Fonte: https://www.letsgobahia.com/post/hapiness-lets-go

Plantando Happiness encerra circuito comprovando que felicidade é uma escolha e se compartilhada, seu efeito é ainda mais poderoso

Sustentabilidade e bem-estar como forma de felicidade foram temas

essenciais para ativações

O movimento Happiness vem ganhando cada vez mais espaço em todo o mundo, e pôde comemorar sua grand première no Brasil, com um projeto da CHO (Chief Happiness Officer) Sandra Teschner, em São Paulo no MorumbiShopping, de 18 a 29 de setembro, em parceria com a Profashional. O evento Plantando Happiness trouxe os mais diversos elementos, unindo em um só espaço experiências de movimentos distintos, todos voltados e abraçados pelo Happiness, que originalmente é um objeto de trabalho dela. Então, trazer a obra de arte colaborativa compartilhada, a proposta de urban jungle, tudo ser sustentável, os preceitos de coisas que podem ser feitas no dia a dia para ser feliz, é a equação para o melhor resultado.

O movimento foi criado, e foi um sucesso! Ao longo dos 12 dias, durante o horário de funcionamento do Shopping, 73 mil pessoas passaram pelo evento, contando com a interação de mais de 20 mil, que voltaram mais vezes com mais familiares e amigos, e com a distribuição de mais de 5 mil cápsulas de café reutilizadas, com sementes de girassol plantadas. Isso tangibiliza por meio de experiências, talks, atividades físicas e mentais, tecnologia, sustentabilidade, ancestralidade, proposta de volta à essência, experimentação da biodiversidade (terrário vivo e biodesign, por exemplo) o que é, realmente, a felicidade: mais ser e menos ter. O Plantando Happiness proporciona sensações, que na verdade temos todos os dias, mas a ressignificando para estarmos de fato presentes no aqui, no agora, no presente. Afinal, a felicidade é uma escolha.

O projeto teve a honra de ter suas atividades ministradas por profissionais especialistas nos temas abordados. O agradecimento vai a Ana Claudia Ethel, Marilua Feitoza, Carla Oldemburg, Andreia Miron, Roger Evangelista, Alessandra Ribeiro, Tarsis Ramão, Viviane Kozesinski, Mangalam, Joy Pires, Raissa Castilho, Carol Prada, Ananda Prem, Cris Boilo, Marcos Zanella, Gabriel Duran, Augusto Rocha, Tadeu Gomes, Vivi Maeda e Rafael Vercosa.

Toda a estrutura do evento foi montada com materiais de origem sustentável ou em estado de reuso, e a CHO, Sandra Teschner, já garantiu novas ideias relevantes e inovadoras para a segunda edição que acontecerá em breve, além do livro sobre os encantamentos de uma vida feliz e de bem-estar. A programação gratuita ocorreu no Átrium do MorumbiShopping. Para ter acesso a tudo o que aconteceu, acesse o site plantandohappiness.com.br ou siga o Instagram @plantando.happiness.

Fotos Adriano Dória

Sobre Sandra Teschner

Empresária, Publisher da Profashional Editora, CHO (Chief Happiness Officer), engajada social passional, palestrante de temas como autoestima, vestibilidade e felicidade. Paralelamente Sandra criou o Instituto Happiness do Brasil, um braço de sua editora que propõe a propagação dos ensinamentos da ciência da felicidade através de profissionais de desenvolvimento humano, com foco em promover o que ela chama de “antídoto” à depressão e à ansiedade e suas consequências. Também mergulhou nos livros, nos cursos de desenvolvimento humano até chegar no Happiness propriamente dito, certificando-se internacionalmente.

Assessoria de imprensa – Profashional | Sandra Teschner

Drica Rosa – adriana@profashional.com

Marina Pantaleon – marina@profashional.com

Telefone / fax (11) 5051.4084

Segundo dia de Plantando Happiness celebra o verde

O contato com as plantas foi o grande ato do dia

Em contagem regressiva para a primavera, a natureza foi a grande estrela no segundo dia do evento “Plantando Happiness”, criado pela CHO (Chief Happiness Officer) e publisher da Profashional Editora, Sandra Teschner, que acontece até o dia 29 de setembro no MorumbiShopping, e que tem como objetivo uma nova visão de felicidade por meio de sustentabilidade, bem-estar, contato com a natureza e práticas físicas e de relaxamento.

As atividades e espaços colaborativos “O que te faz feliz?”, o cenário natural com terrários, o Ateliê Para Todos em parceria com o Senac, as pedaladas em bikes recicladas com realidade virtual e as oficinas práticas já estão criando corpo e impactando cada vez mais gente.

A primeira participação do dia foi com o coach holístico e adepto da filosofia Mahamudra, Gabriel Duran, que explicou a importância da respiração para o controle da ansiedade e aumento de foco nas nossas atividades diárias. O exercício contou com respirações tranquilizantes e meditação guiada para uma conexão com o corpo mais profunda.

Depois foi a vez de Carla Oldemburg palestrar sobre “Vivendo o verde”, junto com Marilua Feitoza, que falou sobre “PANC: do mato ao prato”. Carla, idealizadora de todo o paisagismo do evento, iniciou falando da importância do contato com as plantas e a natureza, e de como ela nos nutre e nos proporciona muita qualidade de vida. Marilua finalizou o encontro explicando sobre as PANC (plantas alimentícias não convencionais), suas propriedades e de como elas podem nos suprir, se incorporadas à alimentação. As duas frisaram muito o lema “descasque mais e desembrulhe menos”.

Por fim, a criadora do projeto, Sandra Teshner, deu aula sobre autoestima, da importância de nos sentirmos bem e que o processo que se faz para alcançar isso, conta muito para o resultado. A modernidade está aí para nos ajudar também, e ela nos prova que de forma equilibrada, tecnologia + natureza é a chave para a tão sonhada felicidade, legítima e conectada com o eu interior.

O evento acontece até o dia 29/09 no Átrium do MorumbiShopping e a entrada é gratuita.

Sobre o evento:

O evento Plantando Happiness vai apresentar ao público diferentes espaços com experimentações tais como: cenário natural com plantas para fotos, bikes recicladas com realidade virtual, talks, oficinas e workshops, além de um painel para criação de obra de arte colaborativa, sendo o primeiro a ser realizado em um shopping center no Brasil, onde o próprio público construirá um “trabalho autoral” com lãs, linhas ou retalhos que ficará exposto no empreendimento durante o evento.

As atividades serão ministradas por profissionais especialistas nos temas abordados, como: Ana Claudia Ethel, Marilua Feitoza, Carla Oldemburg, Andreia Miron, Roger Evangelista, Alessandra Ribeiro, entre outros.

Toda a estrutura do evento será montada com materiais de origem sustentável ou em estado de reuso. A programação é gratuita e as atividades acontecerão no Atrium do MorumbiShopping.

Para ter acesso à programação completa acesse o site

https://plantandohappiness.com.br/.

Serviço:

Plantando Happiness no MorumbiShopping

Data: 18 a 29 de setembro

Local: Atrium

Endereço: Av. Roque Petroni Jr., 1089 – São Paulo/SP

Horário de funcionamento: Todos os dias das 12 às 20h

Instagram: @plantando.happiness

Sobre Sandra Teschner:

Empresária, Publisher da Profashional Editora, CHO (Chief Happiness Officer), engajada social passional, palestrante de temas como autoestima, vestibilidade e felicidade. Paralelamente Sandra criou o Instituto Happiness do Brasil, um braço de sua editora que propõe a propagação dos ensinamentos da ciência da felicidade através de profissionais de desenvolvimento humano, com foco em promover o que ela chama de “antídoto” à depressão e à ansiedade e suas consequências. Também mergulhou nos livros, nos cursos de desenvolvimento humano até chegar no Happiness propriamente dito, certificando-se internacionalmente.